Comportamento da liderança influencia desempenho da equipe

Liderança ruim, resultados ainda piores

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
Tempo de leitura: 5 minutos

Em seu clássico livro Leadership that gets results, Daniel Goleman apontou que o estilo da liderança pode ser responsável por 30% do desempenho da empresa. Isso por si só já justifica a forte atenção que as organizações devem dedicar ao comportamento de seus executivos. Adicionalmente, o comportamento dos chefes pode afetar a saúde e a dignidade dos funcionários. São inúmeros os casos de doenças psíquicas ocasionadas por um clima institucional insatisfatório. Sem contar o aumento no número de processos por assédio moral no ambiente de trabalho.

A busca pela produtividade e pela excelência operacional deve ser um dos principais focos da liderança. No entanto, o estilo coercitivo de gestão nem sempre obtém os melhores resultados quando se trata de pessoas. Manter um ambiente saudável, em que os funcionários se sintam seguros, é fundamental para aspectos como inovação e proatividade. Seguindo os princípios da metodologia Lean, a melhoria contínua só se dá quando todos têm autonomia para promover avanços.

Segundo dados da American Psychological Association, 75% dos norte-americanos identificam seus chefes como o fator mais estressante de seu trabalho. Para se ter ideia da dimensão do problema, 60% deles trocariam um aumento salarial por um novo chefe. Mas como detectar uma liderança tóxica? Como deve se comportar um chefe para conseguir resultados? Selecionamos alguns comportamentos que ajudam a identificar defeitos e virtudes na liderança da empresa.

Liderança coercitiva

Ele manda, desmanda, demite, reestrutura, sem se interessar pelas consequências. Se esse tipo de postura é muitas vezes classificada como “arrojada”, na maior parte dos casos prejudica o clima organizacional. Práticas agressivas para o atingimento de metas, por exemplo, têm sido alvo de processos judiciais por assédio. Estudos da Harvard Business School e da Universidade de Stanford apontam que o medo de perder o emprego aumenta em 50% a probabilidade de se ter problemas de saúde.

A hora do feedback

Ninguém gosta de escutar que está realizando um trabalho mal-feito. No entanto, é papel dos líderes monitorar o desempenho dos colaboradores e atuar para que ele seja aprimorado. Saber a hora e a forma de dar feedback à equipe é uma das principais virtudes de um chefe. Culpabilização e críticas desnecessárias devem ficar de fora nesse momento. O importante é saber conduzir cada colaborador a seu melhor desempenho – e isso exige uma boa dose de inteligência emocional.

Liderança acomodada desestimula colaboradores

Liderança acomodada

Não há frase mais inimiga do Lean que aquela: “aqui nós sempre fizemos assim”. A necessidade de melhoria contínua é um dos requisitos da produtividade. Se o líder não gosta de mudanças, tampouco será capaz de incentivar e escutar novas ideias que venham dos colaboradores. Esse tipo de liderança contamina toda a equipe e leva à estagnação.

Metas inalcançáveis

Embora os resultados grupais e individuais devam ser um desdobramento da estratégia corporativa, há lideranças que parecem estar sempre querendo correr antes da máquina. A busca por melhores resultados não pode superar as capacidades do grupo. Na ânsia por “pensar grande”, é comum que chefes sobrecarreguem suas equipes. Além do estresse gerado, a tendência é de que o grupo se mantenha em constante clima de falha ou fracasso.

Medo e insegurança

“O que eu faço agora?” Sem prejuízo à autonomia dos colaboradores, o chefe é a pessoa que está ali para responder a essa pergunta. Seja em caso de definição de objetivos, seja na resolução de problemas. Assim, se o líder for medroso ou inseguro, não poderá dar conta das demandas cotidianas e irá disseminar angústia no ambiente de trabalho. Esse comportamento também afeta o desempenho de funcionários com mais iniciativa, frustrando ideias que poderiam beneficiar a empresa.

Justiça é atributo fundamental da liderança

Liderança e justiça

A capacidade de adotar avaliações e decisões justas para todos é um dos melhores atributos de um líder. Favorecimentos e punições indevidas minam o espírito de grupo e desacreditam o chefe. Se a liderança não aplica princípios de justiça na gestão, os colaboradores se sentirão desestimulados a apresentar melhorias e justificados em maus comportamentos.

Eu sou o melhor!

Arrogância é outro defeito muito comum na liderança e que prejudica o clima organizacional. O chefe centralizador, que afirma que só ele sabe fazer da melhor forma, além de diminuir a confiança da equipe, acaba por não dar conta suas responsabilidades. Em alguns casos, o melhor líder é aquele que tem certeza de que sua equipe apresenta o melhor resultado – mesmo que ele não esteja presente.

Faça como eu digo…

Todos nós somos motivados pelo exemplo. Ver alguém executando uma ação da melhor forma nos ensina e estimula. Assim, é essencial que a liderança seja exercida de forma a incentivar os comportamentos da equipe. Se o chefe é grosseiro, não cumpre prazos nem metas, será mais difícil exigir bom desempenho dos colaboradores.

Mau humor não combina com boa liderança

Liderança de mau humor

Somos humanos e falíveis, todo mundo tem direito ao seu dia de mau humor. Mas quando isso se torna um hábito do chefe, todos perdem. Irritabilidade, grosseria e ansiedade não são os melhores amigos da boa gestão. Os funcionários vão se sentir mais estimulados a contribuir se o líder for receptivo e der suporte ao grupo.

Vale lembrar que somos todos díspares, com diferentes defeitos e qualidades que formam nossa personalidade. A liderança é formada por pessoas que também têm suas rotinas e problemas pessoais, que também podem falhar. Tão importante quanto o chefe compreender as peculiaridades do grupo e saber levá-lo no caminho da produtividade, é que a equipe compreenda que o espírito coletivo precisa prevalecer, mesmo na hora em que o líder falhe. Essa, como outras mais, é uma cultura que precisa ser incentiva da organização. Pessoas melhores, trabalhando em equipe, são primordiais para que se atinja os melhores resultados.

Precisa de ajuda na busca pela excelência operacionalFale com a gente e siga nossos posts no Facebook.

Edição: Svendla Chaves – jornalista

Imagens: Goumbik/Pixabay

Conquiste a
Excelência Operacional

E-book:
Excelência Operacional

BAIXE AGORA

About Otávio Monsanto de Paula

Profissional de Excelência Operacional e Business Intelligence! Blog: Excelência em Pauta.com.br
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Deixe um comentário

avatar